Esta rede tem como objetivo criar meios para disponibilizar informações práticas, alternativas e sustentáveis.
Estaremos passando à diante desde "uma receita de bolo" até um super projeto.
A sua parte é essencial para aumentar a corrente de informação e contribuir de forma efetiva
para um mundo ecologicamente sustentável. Participe desta rede, envie Informações, Sugestões,
Projetos, Dicas, Propostas Alternativas, Links, Ajude a Traduzir, Convide seus Contatos !!!  E-mail.
             

 
.
Atenção
Voluntários:
precisamos
traduzir este site
em vários
idiomas.
.
E-mail
.

IMPACTOS SOBRE O MEIO AMBIENTE
DO USO DE ANIMAIS PARA ALIMENTAÇÃO

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA • PERIGO NOS OCEANOS • DESERTIFICAÇÃO
ESCASSEZ DE ÁGUA DOCE • SUSTENTABILIDADE • MATRIZ ENERGÉTICA
SOCIEDADE DE CONSUMO • NOVOS PARADIGMAS • SOLUÇÕES POSSÍVEIS

Introdução

Estima-se que, no mundo, a cada segundo, uma área de floresta
tropical do tamanho de um campo de futebol seja desmatada
para produzir carne de boi equivalente a 257 hambúrgueres.

Se você chegasse agora ao planeta Terra, vindo de outra galáxia, provavelmente
ficaria atônito com a proliferação de expressões como “catástrofe ambiental”,
“aquecimento global”,“perda de biodiversidade”,“mudanças climáticas” e tantas
outras que inundam os noticiários e permeiam discussões em comunidades tão
díspares quanto escolas infantis, associações de bairro, comitês de gestão
empresarial e órgãos governamentais e internacionais de todas as esferas.
“Ora”, você diria, “há até bem pouco tempo, as querelas ambientais restringiam-
se a proteger ursos panda, evitar o desperdício de água e reciclar latinhas de
cerveja. De onde surgiu – e com tamanha voracidade – essa crise alardeada, tão
ampla e sem precedentes?” Pois ela não surgiu, absolutamente: é resultado da
repetição, ao longo de décadas, de hábitos de consumo coletivos e individuais pre-
datórios,mas abençoados pela lógica de mercado e por uma cultura de hipercon-
sumismo que negam, sistematicamente, sua conexão com o caos instaurado.
Entre esses hábitos perniciosos arraigados na sociedade moderna, está o con-
sumo indiscriminado de carne *. Sim, acredite ou não, a atual manutenção, em
“estoques vivos”, de 30 bilhões de aves, peixes e mamíferos de dezenas de espé-
cies exerce uma tremenda e inédita pressão sobre todos os ecossistemas. Basta
lembrar que cada um desses animais – assim como cada um dos quase sete bi-
lhões de animais humanos – demanda sua porção de terra, água, comida e ener-
gia (preponderantemente fóssil), despeja seus dejetos sobre a terra e gera, dire-
ta e indiretamente, emissão de poluentes no solo, no ar e na água.
Não há como fechar os olhos para o fato de que cada hambúrguer, nugget, sal-
sicha e lata de atum provoca um impacto e um respectivo custo ambiental que
aproximam a aventura do homem na Terra da bancarrota ecológica.
Neste guia procuramos enumerar, entre as atividades econômicas que envolvem
criação de animais para abate e posterior alimentação humana, os principais
fatores que geram degradação ambiental.A simples identificação desses fatores,
por si, já favorece o entendimento da necessidade de uma mudança profunda no
modo como indivíduos e sociedade encaram e se relacionam com o meio ambi-
ente. E indica a urgência em repensar – e reinventar! – os paradigmas de con-
sumo global, como única alternativa viável para evitar as grandes catástrofes que
se anunciam com tanto vigor .
Desejamos que essas informações sejam úteis na sua escolha de como con-
tribuir para a construção de um novo, saudável e produtivo modo de interagir
com as pessoas, os animais e o planeta.

* Neste guia, sempre que falarmos em “carne”, sem
especificar o tipo, trata-se da carne de qualquer animal.

Terra, água e ar

Você sabe quanto custa um quilo de carne? Pode ser um quilo de qualquer tipo
de carne. Será que sabe mesmo?
Para ter certeza, primeiro é necessário entender bem a pergunta.
O custo total de determinada coisa não é apenas o valor do dinheiro que gastamos
para obtê-la. Este é apenas o “preço nominal” ou “custo econômico”.
As coisas podem ter custos econômicos, culturais, sociais, estéticos, ambientais,
morais… E a produção de carne gera vários tipos de custos – infelizmente,
quase todos desconhecidos da maioria das pessoas.
Além do que você paga diretamente no balcão do mercado e que corres-
ponde ao custo econômico da carne, há outros fatores envolvidos que deve-
riam compor o preço final do produto. Entre eles, o custo ambiental da
carne, que é um dos maiores problemas ambientais da Terra. Uma série de
cálculos e estudos estabelece a relação do consumo de carne com a saúde
do planeta, como exemplificado no quadro abaixo.

No Brasil, em média, um quilo de carne bovina é responsável por:

• 10 mil metros quadrados de floresta desmatada
• consumo de 15 mil litros de água doce limpa
• emissão de dióxido de carbono diretamente na atmosfera
• emissão de metano na atmosfera
• despejo de boro, fósforo,mercúrio, bromo, chumbo, arsênico, cloro entre outros elementos tóxicos provenientes de fertilizantes e defensivos agrícolas, que se infiltram no solo e atingem os lençóis freáticos
• descarte de efluentes como sangue, urina, gorduras, vísceras, fezes, ossos e outros, que acabam chegando aos rios e oceanos depois de contaminarem solo e aqüíferos subterrâneos
• consumo de energia elétrica
• consumo de combustíveis fósseis
• despejo no meio ambiente de antibióticos, hormônios, analgésicos, bactericidas, inseticidas, fungicidas, vacinas e outros fármacos, via urina, fezes, sangue e vísceras, que inevitavelmente atingem os lençóis freáticos
• liberação de óxido nitroso, cerca de 300 vezes
mais prejudicial para a atmosfera do que o CO2
• pesados encargos para os cofres públicos com tratamentos de saúde decorrentes da contaminação gerada pela pecuária
• gastos do poder público com infra-estrutura e saneamento necessário para equilibrar os danos causados pela pecuária
• custo dos incentivos fiscais e subsídios concedidos pelos governos estaduais e federal para a atividade pecuária

Tudo isso está presente em cada quilograma de alcatra,maminha, picanha e outros
cortes, consumidos aos milhões no menu diário e nos churrascos domingueiros.
E nada disso é computado no balcão do açougue.

É importante observar que estes dados relativos à produção de 1 kg de carne
de boi não são estimativas alarmistas; são constatações alarmantes de estudos
científicos e dados oficiais. A criação de suínos, caprinos, bubalinos e ovelinos
(ou de outros mamíferos de grande porte) gera números semelhantes.Ou seja,
a produção industrial de carnes é uma das fontes mais importantes de poluição
do meio ambiente: exige áreas gigantescas, consome enorme volume de recur-
sos naturais e energéticos, onera sensivelmente os cofres públicos, além de
gerar bilhões de toneladas de resíduos tóxicos sólidos, líquidos e gasosos, que
contaminam solo, água, ar, plantas, animais e pessoas.
A legislação brasileira é rigorosa em relação à poluição industrial. Porém, não
há fiscalização para o setor pecuário: a aplicação das leis ambientais tornaria
praticamente inviável a atividade. Se o governo brasileiro retirasse incentivos e
subsídios, cobrasse impostos integrais e obrigasse a internalizar os custos
energéticos, o uso de recursos naturais e os danos ambientais, cada quilo de
alcatra custaria uma pequena fortuna!

Causa e conseqüência - Um fato emblemático que revela a inconseqüência da produção
industrial de carne: em 1960, um grande tsunami atingiu a costa de Bangladesh.Apesar dos prejuízos materiais, não houve uma única perda humana. No entanto, vários milhares de pessoas morreram quando um tsunami de magnitude bastante similar arrasou a mesma área, em 1991. Por que a diferença? Nesse meio tempo, os imensos manguezais, que davam proteção natural àquela região, foram devastados para dar lugar a inúmeras fazendas industriais de carcinicultura (criação de camarões em cativeiro).

Água doce: fonte de vida ou de lucros?

Nos Estados Unidos, a criação de gado é
responsável pelo uso de metade de toda a
água consumida no país para todos os fins

No principio era o agronegócio.Depois, o negócio se diversificou e fez-se hidronegócio: “negócio da água”. Quer dizer, a água é apenas um meio, pois o negó-
cio mesmo é o lucro. Lucra-se com o uso da água na indústria, no saneamento
público e ambiental, com engarrafamento da versão mineral e, sobretudo, com
o uso intensivo na irrigação e na pecuária.
O Brasil é a maior potência mundial em volume de água doce: 12% de todo o es-
toque global está em nossos rios e reservatórios subterrâneos.Contudo, cerca de
70% dessa preciosidade vai para a agricultura – em especial a irrigação.
Irrigação do cultivo de hortaliças para alimentação humana, certo? Negativo:
bem mais da metade de tudo que é cultivado no Brasil destina-se à produção
industrial de ração animal, aqui e no exterior.Ou seja, vira alimento de bois, por-
cos, aves e até peixes, que depois vão parar no prato das pessoas. Para piorar a
situação, ninguém paga pelo consumo dessa água toda, nem pela poluição que os
efluentes da produção de carne – sangue, gorduras, vísceras, vômitos e fezes,mais
os hormônios, antibióticos, inseticidas, fertilizantes e defensivos agrícolas –
causam aos reservatórios e aqüíferos. (reveja os dados da pág. 3)

Você e a água


Para evitar o desperdício, as dicas são as de sempre: fechar a torneira ao escovar
os dentes ou fazer a barba, não lavar a calçada, consertar vazamentos em casa e
ser breve no banho.Mas, como consumidores conscientes, podemos ir muito além.
O vegetarianismo é a forma mais eficiente para economizar água.Veja porque:
Criação de animais para consumo
Dentre todas as indústrias, a criação maciça de animais para consumo humano
é a que faz o uso mais ineficiente dos recursos hídricos. Vamos dar, como
exemplo, a carcinicultura (criação de camarões em cativeiro). Essa atividade
consome mais água doce que a irrigação da agricultura: são 50 a 60 mil litros
d’água por quilo de camarão produzido.A construção dos viveiros, principal-
mente no litoral nordestino, degrada nascentes e compromete os manguezais.
Provoca alterações da fauna e flora, piora a qualidade da água potável, polui as
águas costeiras com toneladas de excrementos e ainda expulsa os pescadores
tradicionais dos mangues, sem dar-lhes outra alternativa. Como se não bas-
tasse, essa atividade econômica é quase toda voltada para a exportação e be-
neficia apenas uma elite empresarial, que obtém seus lucros em detrimento
das comunidades tradicionais e da saúde do bioma litorâneo.

No Brasil, 45% da água doce é gasta
na pecuária. E 45 milhões de pessoas
não têm acesso à água potável

O Relatório Unesco para o Fórum Mundial da Água, de 2004, revelou quanta
água limpa é usada, em média, apenas para matar a sede de cada animal:
galinha = 0,1 litro/dia peru = 0,2 litro/dia
bode = 8 litros/dia porco ` = 15 litros/dia
boi = 35 litros/dia vaca leiteira = 40 litros/dia
Se levarmos em conta a água necessária para asseio, o consumo de uma vaca lei-
teira, por exemplo, sobe de 40 litros para 90 litros por dia.
Vale lembrar que o favelado dos países pobres tem acesso, em média, a apenas
20 litros de água por dia.


Irrigação


Considerando que em torno de 70% da água doce mundial se destina à agricul-
tura e que mais da metade da produção agrícola mundial vai para a alimentação
de animais – em especial dos rebanhos e plantéis norte-americanos e europeus
– conclui-se que o precioso líquido vira ração.
No Brasil, a soja tomou conta dos cerrados do centro-oeste e agora migra para
o norte, em busca de água:Tocantins,Mato Grosso,Rondônia, Pará...Hoje, expor-
tar grãos ou carne significa, em última instância, exportar água – de graça.Assim
como produzir grãos e carne em território alheio é poupar água no próprio país.

No Brasil, a pecuária utiliza e contamina, em sua cadeia produtiva,mais água do que as cidades. Enquanto são necessários menos de 500 litros de água para se obter 1 kg de soja, para produzir 1 kg de carne bovina gastam-se até 15 mil litros de água.Nesse cálculo entram a água que os animais bebem durante a vida toda , a utilizada na irrigação dos pastos e a que é gasta no processamento das carcaças nos abatedouros.

Dejetos


A quantidade descomunal de dejetos produzidos pelos animais criados para con-
sumo é quase sempre lançada, sem tratamento, na terra e na água. Isso provoca a
eutrofização de rios e lagos, processo no qual o excesso de matéria orgânica
favorece a proliferação de algas e microorganismos, que passam a competir com os
peixes e outros seres aquáticos pelo oxigênio da água. Sem contar a hipercontami-
nação por coliformes fecais, vetores de doenças (como salmonela e hepatite), hor-
mônios e antibióticos.Todo esse material tóxico infiltra-se nas águas da superfície
e do subsolo, poluindo lençóis freáticos, contaminando rios e mares e compro-
metendo a vida aquática e humana.Alguns dados ilustram o problema:

• Uma fazenda com 5 mil bovinos produz a mesma quantidade de excrementos
de uma cidade com 50 mil habitantes.
• Uma vaca produz, por dia, cerca de 40 kg de esterco. E cada porco, entre 5 e
9 kg de urina e fezes, diariamente.
• Em alguns municípios de Santa Catarina a suinocultura é responsável por mais
de 65% da emissão de poluentes. E o poder poluente dos dejetos suínos é
cerca de 50 vezes maior que o do esgoto humano.
• Em algumas regiões do sul do Brasil, a contaminação das fontes naturais de
abastecimento de água por coliformes fecais chega a 85%.

Apenas nos Estados Unidos, a produção de
excrementos de animais é de 1,4 bilhão de
toneladas por ano, ou 104 mil kg por segundo

Processo de abate


A criação de animais para alimentação consome água em abundância também
durante os procedimentos de abate: sangria, escaldagem, depenagem, depilação,
barbeação, evisceração, lavagem, etc.Quem já fez um pequeno corte no dedo –
e sabe o trabalho que dá limpar o sangue – pode imaginar quanta água é gasta
para lavar o sangue de uma carcaça de boi.
Segundo a Cetesb, os abatedouros paulistas utilizam, em média, 12 litros de água
para processar a carcaça de um frango e 2.500 litros para a de um bovino.
Enquanto isso, a Sabesp afirma que o consumo de 120 litros por habitante é
mais do que suficiente para todas as necessidades diárias.

Litros de água usados* para produzir 1kg de alimentos:
Tomate 39 Feijão 195 Frango 1.397
Trigo 42 Leite 222 Porco 2.794
Batata 48 Ovos 932 Boi 8.931

* Em média, na Califórnia. Fonte: EarthSave Foundation

Água rara


Mais de 2 bilhões de pessoas enfrentam escassez de água e, até 2025, esse número deve saltar para 4 bilhões, segundo relatório da ONU de 2002. Parece incoerência falar de escassez num planeta que tem mais de 70% da sua superfície coberta de água.Mas somente uma parcela mínima desse total é potável:
97,5% da água na Terra é salgada – está nos mares e oceanos
2,493% é água doce presa em geleiras ou regiões subterrâneas inacessíveis
0,007% é água doce, disponível na superfície e presente na atmosfera
No mundo todo, cerca de 70% da água doce captada em rios, lagos e depósitos subterrâneos destinamse à atividade agropecuária.Os 30% restantes são utilizados nas demais atividades humanas, como consumo doméstico, atividade industrial, geração de energia etc.

Uso, contaminação e degradação do solo

Os 75 milhões de hectares já transformados em
pasto, só na Amazônia, representam uma área
50% superior a toda área agrícola do Brasil

No Brasil, o impacto ambiental da pecuária sobre o solo é fora de série, pois a
maior parte dos bovinos é criada pelo sistema extensivo: cada cabeça de gado
precisa, no mínimo, de um hectare (10 mil m2) de pasto para engordar. Nossos
rebanhos já contabilizam 200 milhões de cabeças e a pecuária ocupa mais de
250 milhões de hectares, quase um terço do território nacional! Essa ocupação
desmedida do solo compromete nossa terra de várias maneiras.


1 - Florestas e cerrados são devastados para formar pastos e grandes monoculturas de grãos, posteriormente destinados a virar ração.

No Brasil, segundo o Instituto CEPA, um boi precisa de um a quatro hectares
de terra e produz, em média, 210 kg de carne, no período de quatro a cinco
anos.No mesmo tempo e na mesma quantidade de terra, produz-se, em média:

8 ton de feijão 19 ton de arroz 22 ton de maçã
23 ton de trigo 32 ton de soja 34 ton de milho
35 ton de cenoura 44 ton de batata 56 ton de tomate

Sem falar que é possível obter duas ou até três safras por ano desses vege-
tais combinados, aumentando bastante essas quantidades.

2 - Quando as plantas originais são eliminadas e os animais que viviam naquele
espaço são expulsos por falta de alimento, a conseqüência é a perda da biodi-
versidade (redução de espécies de determinado habitat).A remoção da cober-
tura vegetal para formação de pastos também interrompe o equilíbrio do ciclo
natural de nutrientes: por baixo da exuberante floresta tropical, por exemplo,
costuma haver uma tênue camada de folhiço, que é a reserva de nutrientes do
solo. Sem a cobertura vegetal não há mais este recurso e o solo, normalmente
pobre e arenoso, fica exposto à erosão e às intempéries.

Esterco não vira adubo?

Uma vaca produz cerca de 40 kg de esterco seco
por dia e, cada porco, de 5 a 9 kg de fezes. Por que
o produtor não transforma esses dejetos em
adubo? Simples: basicamente, falta interesse comer-
cial. Numa grande fazenda, o manejo adequado dos
dejetos implicaria em armazenamento, tratamento,
transporte e distribuição nos campos.O pecuarista
não considera investir nesse sistema, pois sua

implantação aumentaria o trabalho e os custos sem
trazer aumento proporcional da produção – e do
lucro. Em geral,o agricultor prefere usar fertilizantes
químicos, menos volumosos e de aplicação mais
simples. Já a agricultura orgânica, quando utiliza
esterco, evita o estrume de animais criados à base
de ração, hormônios, antibióticos e pesticidas em
geral, que são elementos que contaminam o solo.

É possível alimentar 40 pessoas com
os cereais normalmente usados para
gerar apenas 225 g de carne bovina

3 - A destruição de florestas ou cerrados rende pastos verdejantes por pouco
tempo. Sem intervenções como adubação e adição de calcário, o pasto
enfraquece e o produtor tende a abandonar a área. Em pouquíssimos casos, a
cobertura original retoma seu lugar. Em geral, o comprometimento do solo é
tamanho que acontece o contrário: iniciam-se processos irreversíveis de deser-
tificação.Testemunha disso é a vastidão de desertos como o Saara, no norte da
África, e o da Patagônia, na América do Sul – ambos obra de intensa e secular
atividade de pastoreio de cabras e ovelhas, respectivamente.


4 - O gado pisoteia e compacta o solo o tempo todo. Isso dificulta a absorção de
água e facilita o arrasto de material superficial pelo vento e pela água, resultando
em processos erosivos. Inundações, deslizamentos e proliferação de ervas-dani-
nhas e arbustos invasores são cortesias da pecuária extensiva para o patrimônio
natural brasileiro. Segundo a ONG WWF-Brasil, para cada quilo de carne pro-
duzido no Cerrado brasileiro, perdem-se de 6 a 10 quilos de solo por erosão.


5 - A cada ano são produzidos, somente nos EUA, mais de 1,4 trilhão de quilos
de excrementos animais. São 104 toneladas por segundo de um esterco que, na
maior parte dos casos, não pode ser empregado na agricultura e não é dire-
cionado para estações de tratamento. No meio ambiente, estes excrementos
eutrofizam a água e o solo. Para ilustrar a dimensão do problema, basta lembrar
que os 5 milhões de suínos de Santa Catarina poluem as águas e o solo do esta-
do com emissão de dejetos e efluentes tóxicos equivalentes aos de 45 milhões
de pessoas! Com a diferença que o esgoto das pessoas costuma ser tratado...

O padrão de ocupação da terra – baseado no sistema de produção industrial de carne – beira o absurdo:
as pastagens já constituem um terço de todas as terras não-alagáveis do planeta, ocupando um espaço que equivale ao dobro de toda a área usada pelo homem para cultivo de alimentos.

Poluição do ar

A criação de animais é responsável
por 18% e 25% das emissões mundiais
de CO2 e metano, respectivamente

Um relatório alarmante da FAO,publicado em 2006, indica que os “estoques de ani-
mais vivos” mantidos para alimentação humana têm mais responsabilidade pelas
mudanças climáticas do que todos os veículos automotores do mundo somados!
No total, nada menos de 18% da emissão de todos os gases causadores do aque-
cimento global são gerados apenas pelas indústrias da carne. Essa conta inclui,
além das emissões de metano provocadas pelo sistema digestivo dos animais, as
emissões de CO2
geradas pelas queimadas que precedem a formação de pastos,
a energia – quase sempre à base de queima de combustíveis fósseis – usada na
fabricação de insumos agrícolas, a energia gasta na produção de ração e no
bombeamento de água, a energia que vai nos procedimentos de abate e proces-
samento das carcaças, o combustível usado no transporte de animais vivos e de
produtos processados de carne, o combustível usados nos tratores e máquinas
agrícolas, a energia usada nos navios pesqueiros para manter os estoques con-
gelados por semanas a fio em alto mar, a energia para manutenção dos estoques
refrigerados nos pontos de venda e, finalmente, a energia gasta nos lares para
manter as carnes refrigeradas até o momento do consumo.O relatório ressalta
também que, no processamento de alimentos vegetais, todos os procedimentos
que vão do plantio ao consumo são sensivelmente mais econômicos do ponto
de vista da emissão de poluentes.
O minucioso trabalho da FAO deixou claro, entre outras coisas, que a criação
maciça de animais para consumo humano é o centro de quase todas as catástro-
fes ambientais: destruição de florestas, desertificação, escassez de água doce,
poluição do ar e da água, chuva ácida e erosão do solo.

Desperdício de energia

Nos Estados Unidos,metade de
toda a energia usada na agricultura
é gasta apenas na criação de gado

• De acordo com estudos, a produção de carne consome 10 a 20 vezes mais
energia por tonelada processada do que a produção de vegetais.
• O incremento das colheitas de grãos requer uso intensivo de energia para
arar, ceifar, colher, bombear água, transportar e para produzir e aplicar ferti-
lizantes e pesticidas. Depois, gasta-se energia para descascar, triturar, moer,
reduzir a umidade e torrar os grãos. Finalmente, mais energia é usada para
transformar os grãos em ração e no transporte da ração até os rebanhos.
• A criação de aves e suínos em imensos galpões, sem janelas para ventilação e
iluminação naturais, requer muita energia para controle de temperatura e ilu-
minação artificial.
• Abatedouros também usam imensa quantidade de energia para bombear água,
alimentar máquinas e processar carcaças.
• O transporte de animais, por trajetos às vezes longuíssimos, entre as fazendas e
os abatedouros e frigoríficos, demanda milhões de litros de combustível fóssil.
• A pesca industrial utiliza energia para construir , transportar e manter frotas de
imensas embarcações pesqueiras. Cada barco usa combustível para chegar a
alto-mar e para manter milhares de toneladas de peixes congelados por sema-
nas – e até meses! – antes de voltar ao porto.
• Produtos à base de carne tendem a gastar muito mais energia em processa-
mento, embalagem, conservação, transporte e refrigeração do que produtos
vegetais. Em comparação, muitas hortaliças como frutas, verduras, tubérculos,
grãos e leguminosas requerem pouco ou nenhum processamento e refrige-
ração, gastando muito menos energia em sua cadeia produtiva.

• Apenas os dois bilhões de bovinos do planeta
emitem, graças à volatilização dos seus arrotos e
gases intestinais, 12% do metano lançado global-
mente na atmosfera. O metano, que vem logo
atrás do dióxido de carbono como principal fator
de degradação da camada de ozônio, permanece
na atmosfera menos tempo do que o CO2
, mas é
pelo menos 20 vezes mais potente como gerador
de efeito estufa e do aquecimento global.

• Os dejetos dos porcos também são responsá-
veis por grandes emissões de metano e de mais
uma centena de compostos perigosos na biosfera.
• Os efluentes dos rebanhos mundiais emitem
64% da amônia lançada na atmosfera, responsável,
em larga medida, pelas chuvas ácidas.
• Só na Amazônia brasileira, as queimadas geram
mais de 300 toneladas anuais de CO2
– cerca de
dois terços do total de emissões do país!

Apocalipse marinho

Até 2006, 29% das espécies de peixes e
frutos do mar entraram em colapso. Isto é,
o rendimento da pesca caiu mais de 90%

Imagine que pretendêssemos apanhar todas as vacas de uma fazenda e, para
isso, equipássemos uma série de helicópteros de carga com enormes redes e
correntes de aço amarradas, em toda sua extensão, a pesadíssimos cilindros de
concreto armado. À medida que os helicópteros fossem avançando sobre a
fazenda, além das vacas, eles iriam arrastando os cavalos, as galinhas, os patos,
o pomar, a horta, o celeiro, a casa da fazenda, o cachorro, a casa do cachorro,
o paiol, o fazendeiro, a mulher do fazendeiro, os empregados, as crianças, o
padre que passava por ali, e tudo mais que estivesse ao alcance dos cilindros.
Depois, bastaria catar as vacas no meio daquele entulho todo e descartar o
resto de qualquer jeito na primeira floresta que aparecesse.Aí seria só limpar
as correntes, esticar as redes e rumar para a próxima fazenda. Em poucos dias,
teríamos apanhado umas duas mil vacas e deixado para trás milhares de hecta-
res devastados, sem a menor chance de recuperação.
Pois é exatamente assim que funciona a pesca industrial de camarão, de longe
a atividade pesqueira mais predatória que o ser humano já inventou. O cama-
rão rende apenas 2% do montante global pescado anualmente, mas responde
por 35% do desperdício total. Esta e outras modalidades de pesca industrial são
responsáveis pelo chamado “descarte”, hoje avaliado em 27 milhões de
toneladas anuais, de peixes e outros organismos marinhos, considerados “do
tipo ou do tamanho errado”.

Perigo profundo


A vida nos oceanos está por um triz. Durante séculos, o homem pescou tone-
ladas anuais de peixes e outros frutos do mar e os estoques iam se recompon-
do naturalmente.Desde os anos 1950, o cenário mudou de figura com o uso de
técnicas novas e “eficientes”. A pesca comercial se incrementou tecnologica-
mente e resultou no “overfishing” – pesca em excesso, em inglês –, e está devas-
tando os oceanos num ritmo que promete colapso total em menos de quatro
décadas. É bom lembrar que, como sempre, a atividade humana predatória nos
oceanos provoca danos que afetam todas as pessoas,mas só “beneficia” poucos
privilegiados endinheirados.Veja por quê:
1 - Os principais mercados consumidores de pescados são Japão e Estados
Unidos. Para se ter uma idéia, no Japão, um único exemplar de atum-azul chega
a valer mais de 100 mil reais! E os últimos remanescentes dessa espécie magní-
fica são comercializados diariamente, às centenas, naquele país.

2 - Espécies marinhas que, há menos de 30 anos, sequer eram conhecidas pela ciên-
cia, têm sido exploradas exaustivamente “graças” às inovações tecnológicas da in-
dústria pesqueira. São peixes que habitam oceanos profundos, a mais de mil metros
sob a superfície, e sobre os quais ainda pouco se sabe, a não ser que correm risco
iminente de extinção. Peixes como o olho-de-vidro laranja – espécie que vive até
150 anos sob condições naturais! –, comuns em regiões abissais da Austrália e Nova
Zelândia, são arrastados aos milhões por redes de profundidade e chegam aos con-
sumidores de todo o mundo com preço elevado. Como são pequeninos, pode-se
devorar em poucas dentadas um lindo animal de 80 ou 100 anos...
3 - As fazendas de aqüicultura que mais devastam o meio ambiente marinho e
os biomas litorâneos são as de salmão e camarão. Ora, quem consome salmão
e camarão? Como produzir 1 kg de salmão exige 6,2 kg de pescado, para ali-
mentar esses peixes caros as fazendas processam milhares de toneladas diárias
de peixes de pouco valor comercial, como a sardinha. Enquanto isso, as popu-
lações desses peixinhos, que são um elo importante da cadeia alimentar marinha,
vêm declinando com velocidade assustadora. Mais de um terço das capturas
pesqueiras atuais vira comida ração para animais de cativeiro, e a proporção só
tende a aumentar com a formação de novas fazendas.

Se medidas drásticas não forem tomadas urgentemente, logo não haverá mais
sardinha nos oceanos. Por tabela, não haverá mais atum, garoupa, tainha, anchova
e outros peixes graúdos dos mares, que dependem dos menores na cadeia alimen-
tar.Além das sardinhas, a pesca industrial predatória elimina toda a fauna marinha
que estiver “de bobeira” nos arredores. Em compensação,o sushi e sashimi de cada
dia estão garantidos… Mas não por muito tempo.Talvez não seja preciso usar a
força de vontade para cortar o peixe do cardápio.O mais provável é que não haja
mais peixe a ser comprado! Os chamados “estoques” estão acabando: a população
de 90% dos grandes peixes declinou acentuadamente nos últimos 20 anos.
Entidades que lutam pela proteção dos oceanos estimam que, para reverter essa
situação, a atividade pesqueira atual precisa ser reduzida em pelo menos 60%. O
que pode ser feito por pessoas comuns, além de não comer peixe? Pressionar os
governos para que apliquem moratórias de pesca e criem áreas marinhas de pro-
teção integral e ajudar a disseminar informações que a maioria desconhece.

Se o consumo não diminuir, a população
de praticamente todos os peixes e frutos do
mar entrará em colapso por volta de 2048

Atualmente, a pesca
ilegal representa 35%
do total mundial

Aqüicultura


As fazendas aquáticas tornaram-se populares com o declínio dos “estoques” sel-
vagens dos pescados de bom valor comercial.A princípio, acreditou-se que seria
uma opção viável, lucrativa e minimamente sustentável.Mas, como em todo sis-
tema industrial de produção de carne, há diversos aspectos ambientais que de-
veriam ser considerados com mais rigor.
A enorme população de peixes e camarões apinhados em espaço exíguo requer
o uso de grande quantidade de pesticidas, bactericidas e fungicidas. Além de,
obviamente, prejudicar a qualidade da carne que será consumida por seres
humanos, todas essas substâncias químicas agravam uma situação que, por si só,
já seria alarmante: animais aquáticos em cativeiro lançam milhões de toneladas
de excrementos anualmente nos oceanos. O resultado é poluição das águas
adjacentes aos cercados, degradação dos ecossistemas costeiros e disseminação
de doenças entre espécies marinhas e terrestres, incluindo o homem.
Outro grave problema, segundo a Federação do Salmão-do-Atlântico, é que
milhares de peixes fogem dos tanques e se juntam aos cardumes nativos.Além
de contaminá-los com doenças de cativeiro, o cruzamento desses peixes é um
desastre, pois dá origem a gerações inaptas para sobreviver e procriar no meio
selvagem, agravando o declínio de populações inteiras.As fugas também propi-
ciam o cruzamento de variedades exóticas com nativas e colocam em perigo o
delicado equilíbrio genético marinho.
Por fim, adivinhe onde essas fazendas são construídas? No litoral, claro. Para
armar os tanques e cercados, já se eliminou metade dos manguezais da Terra, e
pelo menos um terço dos brasileiros. Incrivelmente, a taxa de destruição dos

mangues já é maior do que das florestas tropicais.O mangue é um ecossistema
tão frágil quanto importante em termos de biodiversidade e segurança contra
inundações e tempestades. A falta da barreira natural de mangues que cobria,
originalmente, grande parte do sudeste asiático e da Indonésia é uma das prin-
cipais causas do número exorbitante de mortes e prejuízos por ocasião do
tsunami de 2004 (veja mais sobre os mangues na pág. 16).

Impacto profundo

A aqüicultura, com seu gigantesco impacto ecológico, chama a atenção, mas não é o único fator degradante dos ambientes marinhos. Há muito mais atrocidade escondida sob a imensidão azul: Impacto profundo

• Na pesca de camarão, as redes lançadas voltam
com alguns camarões e centenas de peixes, tar-
tarugas, corais, polvos, pássaros, tubarões e outras
espécies. Mortos ou agonizantes, são descartados
no mar logo após a separação dos camarões que
interessam. Para cada quilo de camarão, “sobram”
até 20 quilos de organismos mortos.
• Cerca de mil mamíferos marinhos são capturados
e mortos todos os dias,“sem querer”, por redes de
arrastão: golfinhos, botos, toninhas, focas e até ba-
leias.Calcula-se que, cada ano, até 150 mil tartarugas
marinhas sejam vitimadas pelas mesmas armadilhas
submarinas supostamente feitas para camarões.

• Na Ásia, devido à fama das barbatanas como igua-
ria afrodisíaca, são mortos anualmente cerca de 100
milhões de tubarões de diversas espécies, muitas
quase extintas.
• Um dos fatores que mais causa preocupação aos
ambientalistas é que a idade e o tamanho dos pei-
xes vendidos no mercado vêm diminuindo drastica-
mente. O imediatismo inconseqüente da atividade
pesqueira industrial tem retirado do mar cada vez
mais animais que não atingiram a maturidade sexual
e, portanto, não tiveram chance de se reproduzir.
De onde a indústria espera que venha a próxima
geração de peixes?

Do explosivo ao arrastão

Recifes de corais magníficos que levaram milênios para
crescer são dinamitados em segundos.Os atuns-azuis,
peixes imensos e velozes, capazes de nadar milhares
de quilômetros em suas migrações anuais, são facil-
mente localizados com o uso de helicópteros e aviões.
Cardumes de sardinhas com milhões de indivíduos
não têm como escapar da localização super-avançada
por satélites de rastreamento e barcos equipados
com emissores de ultra-som, que os capturam em
poucos minutos.Tecnologia de ponta e barcos ultra-
modernos seqüestram em massa a vida oceânica para
o prato de consumidores vorazes.

Os métodos de pesca comercial são de uma brutali-
dade ímpar: apesar de proibido, ainda se joga dina-
mite no mar para depois colher os milhares de pei-
xes que flutuam mortos, mesmo que com isso tam-
bém sejam sepultados extensos bancos de corais
milenares e centenas de outros seres vivos.
Outra técnica, igualmente proibida e praticada clan-
destinamente, é pulverizar recifes de coral com ciane-
to de sódio.Os peixes que se abrigam nas fendas dos
corais ficam atordoados com a falta de oxigênio e
viram presas fáceis para os caçadores das espécies
exóticas de aquários, item unicamente de luxo.

Poucos dias depois, os recifes atingidos pelo cianeto
morrem, levando consigo dezenas de espécies ani-
mais e vegetais que dele dependiam.
Recentemente, outra técnica monstruosa foi proibi-
da e criminalizada: lançar uma rede imensa, presa
pelas pontas a pesados cilindros, e arrastar tudo o
que estiver entre 750 e 1.500 metros de profundi-
dade.Técnica macabra, a pesca profunda de arrastão
foi vetada depois de arrasar ecossistemas inteiros
que abrigam milhões de criaturas únicas e centenas
de espécies muitas vezes desconhecidas pela ciência.
O acordo que impede esse tipo de pesca, por

enquanto apenas no sul do Pacífico, foi assinado no
Chile, no início de maio de 2007, por mais de 20
países.A conquista se deu após muitos anos de luta
da Coalizão de Conservação das Águas Profundas
(CCAP), entidade que representa a comunidade
científica e pesqueira de vários países.No entanto, o
arrastão tradicional, entre os quais se inclui a pesca
de camarões, continua permitido e é largamente
difundido, praticamente sem restrições. Resta saber
se as autoridades governamentais tomarão medidas
para a erradicação dessa prática a tempo de salvar a
preciosa diversidade marinha.

Biomas brasileiros X industria da carne

Entre 2002 e 2005, foram desmatados 70 mil km2 na Amazônia.
Do cerrado, que contém um terço da biodiversidade brasileira,
hoje restam 20%. E menos de 7% da Mata Atlântica está de pé

Dezenas de milhões de hectares de vegetação nativa brasileira são queimadas
anualmente.Ao contrário do que se pensa, madeireiras, rodovias e urbanização
desordenada desempenham papel secundário nessa destruição.A pecuária bo-
vina sempre foi personagem principal na história da ocupação do Brasil. Desde
que Cabral aportou por aqui, as patas dos bois, financiadas por seus criadores,
foram responsáveis, em diferentes épocas, pela destruição da Caatinga, pela
quase extinção da Mata Atlântica, pela devastação do Cerrado e, hoje, perse-
guem obstinadamente a meta de acabar com a Amazônia.
Há duas décadas, a pecuária ganhou um poderoso aliado nessa missão destruti-
va: a monocultura da soja, que serve para alimentar, nos países desenvolvidos,
rebanhos de animais cujas patas não têm mais mato para destruir.
A remoção acelerada da vegetação original transforma completamente o ambien-
te e torna-o impróprio para a maioria das espécies nativas, o que acaba por
eliminá-las. Os raros animais que conseguem se adaptar acabam sendo mortos
pelos fazendeiros. Além disso, diversas zoonoses, como raiva, toxoplasmose e
febre maculosa, transmitidas do gado para animais silvestres, resultam quase
sempre na eliminação destes últimos.
A produção industrial de carne afeta todos os nossos biomas e, de quebra, a bio-
diversidade, que é a variedade de organismos vivos de todas as origens. E a nossa
é das mais ricas do planeta: entre 15% e 20% do 1,5 milhão de espécies catalo-
gadas estão aqui.Veja um resumo dos estragos provocados nos biomas brasileiros:

Zona Costeira - Esse bioma litorâneo inclui as restingas e os manguezais –
estes últimos, áreas de berçário, refúgio e alimentação de uma diversificada fauna
marinha. Com vegetação única e adaptável a elevados teores de salinidade, os
mangues estão sendo arrasados pela criação de camarões.No Nordeste, no lugar
desses ricos ecossistemas há centenas de tanques para a carcinocultura e já se
verifica a diminuição da biodiversidade, que prejudica diretamente a economia e
a segurança alimentar de inúmeras comunidades tradicionais de índios e pes-
cadores. Como o litoral brasileiro é recortado por incontáveis rios e lagunas, o
impacto da produção industrial da carne também pode ser medido pela poluição,
assoreamento e eutrofização das fontes de água doce de toda a região costeira.

Cerrado -Os cerrados eram considerados áreas improdutivas do ponto de
vista agrícola. Havia apenas pequenas lavouras e criações de animais. Com as
novas tecnologias agrícolas, no entanto, os cerrados foram tomados por grandes
latifúndios de monocultura, responsáveis por 40% da produção nacional de
grãos.Há milho, feijão e outros,mas a soja – que vira ração para o gado europeu
e norte-americano – predomina: a região responde por 41% da produção
nacional. Para completar o estrago, 42% do rebanho bovino brasileiro pasta nes-
sas terras. Desde os anos 70, o cerrado, que é o segundo maior bioma do país,
perdeu 50% de sua vegetação nativa e viu comprometidos nascentes, rios e ria-
chos. Se essa vegetação sumir, acabam os mananciais da região, “a grande caixa
d’água brasileira”. Um rio como o São Francisco tem ali 80% da origem de suas
águas. É do Planalto Central que se alimentam bacias hidrográficas que correm
para os quatro pontos cardeais. Mas a devastação é tão veloz que ambientalis-
tas asseguram que só uma moratória integral da expansão agropecuária pode
salvar o que resta do cerrado.

Caatinga - A pecuária não ameaça mais esse bioma rico em biodiversidade,
tanto vegetal quanto animal (sobretudo de insetos), simplesmente porque não é
mais viável economicamente. Mas, no final do século 16, quando o gado do
litoral foi levado para o interior, a fim de não competir com a cana e o algodão
plantados na zona costeira, é que a tendência à aridez da caatinga começou a se
intensificar.A terra que era antes viável, hoje é quase um deserto.

Pantanal - Essa vasta planície de inundação, toda entrecortada por cursos
d'água, é um bioma vital para uma infinidade de aves aquáticas, espécies
migratórias, grandes répteis e mamíferos de todos os tipos e ainda apresenta
uma das mais ricas reservas de vida selvagem do mundo. Entretanto, as
queimadas, derrubadas de árvores e assoreamento dos rios ameaçam sua vida.
Mais uma vez, o motivo é a sede da pecuária por novos pastos. O turismo, que
parecia ser uma boa alternativa econômica à criação de gado, na realidade é um
perigo a mais: tragicamente, pesca e caça esportivas já ultrapassam os limites de
sustentabilidade daquele ecossistema.

Mata Atlântica -Da floresta original que recobria todo o litoral brasileiro,
hoje resta menos de 7%.O mais rico bioma brasileiro em biodiversidade por km2
foi, ao longo da história, trucidado pela exploração de pau-brasil, cana-de-açúcar,
café e, quando ainda havia algo a ser salvo, pela abertura de pastos, sobretudo
para gado leiteiro. É o exemplo mais contundente e visível – no bioma vivem mais
de 80% dos brasileiros – do nosso modelo de desenvolvimento predatório.

Pampa -Campos vastos,matas ciliares,matas de encosta, banhados e capões.
Apesar de caracterizada por extensas planícies aparentemente homogêneas, a
região tem fauna e flora ricas – uma infinidade de insetos alimentam enorme
variedade de pássaros. O bioma ainda sofre as conseqüências do erro cometi-
do nos anos 60, quando o governo estadual trouxe sementes de um tipo de
capim africano sem antes realizar testes. Difundidas entre os fazendeiros, parte
dessas sementes escondiam um intruso: o capim annoni. Pesquisas posteriores
mostraram o baixo valor do capim africano como alimento para o gado e, em
1978, foi proibida a comercialização daquelas sementes.Tarde demais: o annnoni
é hoje uma praga que infesta parcela significativa do pampa. Outra ameaça ao
bioma é a expansão descontrolada da soja, que vem promovendo a passos lar-
gos a transformação dos campos naturais em áreas de monocultura, com uso
intensivo de agrotóxicos e emprego de cultivares transgênicos.

Amazônia - A Amazônia guarda a maior diversidade biológica do mundo,
escoa 20% de toda água doce do planeta e é mais um bioma na mira implacá-
vel da pecuária. O estrago começou nos anos 70, quando o projeto desen-
volvimentista do regime militar vendia a idéia de que a Amazônia era “uma
terra sem homens para homens sem terra”. Um dos resultados é que,em
menos de 40 anos, o rebanho amazônico passou de 1,5 milhão para 60 mi-
lhões de cabeças – um terço do rebanho brasileiro.Hoje há, na Amazônia, três
vezes mais bois do que pessoas. E 70% da carne produzida lá é consumida na
rica região Sudeste. Churrasco de floresta amazônica: é isso o que as pessoas
fazem quando comem o tal “boi verde” brasileiro.Além da perda de biodiver-
sidade, da interferência nefasta no ciclo das águas e da ameaça à vida das
frágeis populações locais, o desmatamento de 3 milhões de hectares de flores-
ta por ano joga 300 milhões de toneladas de carbono na atmosfera, ou dois
terços das emissões totais no país. E assim o Brasil fica entre os cinco maiores
poluidores no ranking do aquecimento global!

A prioridade que o Brasil escolheu dar ao agronegócio é, para dizer o mínimo, dis-
cutível.A insustentabilidade desse modelo, que destrói nossos biomas, contradiz o
projeto de erradicação da fome dos brasileiros, pois, como se sabe, o agronegó-
cio é primordialmente voltado para a exportação.A soja que devasta o Cerrado
e invade a Amazônia não vira alimento para pessoas, é exportada e transformada
em ração de bois, frangos, porcos e peixes criados em cativeiro. Enquanto isso,
fome e desnutrição assolam quase metade da população mundial.
O agronegócio de alta tecnologia voltado para exportação, com suas técnicas
avançadas de cultivo, é uma opção produtiva absolutamente cruel num país com
taxas altíssimas de desemprego. Na Amazônia, uma grande fazenda padrão
emprega diretamente um único funcionário para cada 700 cabeças de gado,
numa área de 1.000 hectares. Um disparate, se comparado aos mais de 100
empregados de uma cooperativa de agricultura familiar ou aos 250 traba-
lhadores de uma agro-floresta com regime de permacultura, operando em área
equivalente. Eis a prova do custo social da carne. Basta verificar o índice de
desenvolvimento humano da ilha de Marajó, por exemplo, para constatar que
pecuária intensiva só é fonte de renda para o fazendeiro. Lá o lavrador foi mar-
ginalizado e expulso da terra para dar lugar aos bois e às máquinas e só quem
lucrou com isso foram os coronéis do gado.
O mesmo se vê em todas as regiões tomadas pela pecuária.A terra fica, invaria-
velmente, nas mãos de poucos latifundiários e emprega-se o mínimo de mão-de-
obra.A atividade ainda requer constantes subsídios governamentais, conquista-
dos à base de lobistas e, principalmente, de uma bancada pecuarista – pratica-
mente vitalícia – no poder legislativo.
O estrago sócio-ambiental da produção de carne vai mais além quando contabi-
lizamos as milhares de pessoas degradadas pela presença de abatedouros em sua
vizinhança, resultando na condenação de comunidades inteiras a uma ocupação
aviltante e desumana. Boiadeiros, açougueiros,“tratadores” e muitas outras cate-
gorias: há todo um contingente profissional envolvido na deplorável indústria da
carne, composto por uma classe de pessoas desmoralizadas e barbarizadas, obri-
gadas pela (o)pressão econômica a despir-se de humanidade e sensibilidade.

Enquanto o país se entrega à falta de escrúpulos do colonialismo ambiental e faz avançar as lucrativas fronteiras agrícolas, populações indígenas continuam sendo brutalmente expulsas de suas terras, comunidades ribeirinhas assistem impotentes à degradação de seu meio de subsistência, pequenos agricultores são massacrados pelos latifundiários e o trabalho escravo é usado com cada vez mais freqüência.Aliás, segundo estudo realizado pela ONG Repórter Brasil, a atividade pecuária é a campeã brasileira da escravidão, pois emprega pelo menos 62% da mão-de-obra escrava utilizada hoje no país.

Fim da fome?

50% dos cereais produzidos no mundo e
35% das capturas pesqueiras alimentam
animais dos paises do hemisfério Norte

A conta é simples: metade da agricultura mundial é voltada para a produção de
ração para animais. E a carne dos animais abatidos é acessível a menos de 15%
dos seres humanos.O consumo mundial de carne está restrito a poucos países.
Estados Unidos, União Européia, China e Brasil concentram o consumo global
de cerca de 60% da carne bovina,mais de 70% da carne de frango e mais de 80%
da carne de porco.O resto dos países, ou seja, a maior parte da população glo-
bal, pratica uma espécie de semi-vegetarianismo compulsório. Os lobistas da
carne afirmam que o aumento na produção pecuária poderia tornar a carne
acessível a todos. Mas não confessam que para alimentar uma população de 6,5
bilhões de carnívoros, seria preciso mais dois planetas como a Terra só para
pastagens e produção de grãos/ração.
Então, se o consumo de carne fosse repentinamente abolido, as safras de grãos
e hortaliças, antes destinadas aos animais, seriam repassadas para as pessoas,
solucionando o problema da fome mundial? Bem, as causas do problema da fome
são muitas e o vegetarianismo não pode – nem pretende – assegurar que os ali-
mentos chegarão a quem tem fome, porque isso esbarra em questões políticas e
econômicas que dizem respeito à conveniência do sistema de distribuição de
recursos em relação aos interesses de grandes empresas, oligarquias seculares,
aspirações imperialistas de alguns governos etc.
Por outro lado, o vegetarianismo tem uma contribuição inequívoca a dar em
termos de produtividade. Qualquer projeto cuja meta seja o combate à fome
e a implementação de um sistema produtivo sustentável, em que o uso da
terra seja otimizado de forma a satisfazer as necessidades do maior número
possível de pessoas, deverá, obrigatoriamente, considerar a ênfase no vegeta-
rianismo.Veja por quê:

• A maior parte dos grãos cultivados no mundo é uti-
lizada para alimentar animais de criação. Mesmo que
depois estes animais viessem a alimentar todas as pes-
soas – e este não é o caso –, não se justificaria tama-
nho desperdício:é preciso cerca de 11 a 17 calorias de
proteínas de grãos para criar uma única caloria de
proteína de carne bovina (a carne de peixe, frango ou
porco não oferece grande variação nestes valores).
• Como a dieta vegetariana elimina um intermediário
– ou mais – da cadeia alimentar , é lícito afirmar que
os grãos são usados com mais eficiência quando con-
sumidos diretamente por seres humanos.

• Para se ter idéia do tamanho do desperdício, um
exemplo: um gato de estimação norte-americano
consome, em média, mais grãos por dia, indireta-
mente, do que um ser humano come diariamente na
Ásia, na África ou na América Latina.
• Uma fração irrisória – 0,3% – das 465 milhões de
toneladas de grãos utilizados para alimentar animais
bastaria para salvar da desnutrição os seis milhões
de crianças menores de cinco anos que morrem
todos os anos.Uma parcela de 2,5% deste total seria
suficiente para erradicar a fome no Brasil.Com 50%,
dá para acabar com a fome no mundo.

Sustentabilidade e novos paradigmas

Na nossa cultura, a natureza é vista como uma grande fábrica, como parte pro-
dutiva do todo. Acontece que as peças dessa engrenagem estão quebrando e
não há reposição. Nosso modelo de civilização avançou tremendamente no
mundo virtual, mas não modificou os fundamentos energéticos da revolução
industrial. Evoluímos no plano técnico e quase nada no plano ético. Basta ver
todas as conseqüências nefastas do uso da matriz baseada na queima de com-
bustíveis fósseis. Poluímos a água, o solo e o ar, comprometemos a biodiversi-
dade, acumulamos lixo, devastamos florestas e mares. Seguimos um padrão de
uso da terra inventado no período neolítico e cuja viabilidade já era questioná-
vel há 500 anos, quando ainda éramos cerca de meio bilhão de pessoas vivendo
no planeta. De lá para cá, a população cresceu 13 vezes e o sistema continua o
mesmo – usamos o solo até a exaustão, abandonamos a terra arrasada e, sem
pestanejar , iniciamos a exploração de um novo espaço.Moral da história: se con-
tinuarmos engessados pela ótica capitalista de mercado, é muito grande a chance
de o planeta entrar em colapso de forma irreversível em duas ou três décadas.
Pela primeira vez a sociedade humana, como um todo, se dá conta da enrasca-
da em que se meteu, e se vê obrigada a repensar – e reinventar! – o padrão
insustentável de consumo que o capitalismo das grandes empresas lhe impõe
maciçamente. Se, de fato, cair a ficha do ridículo dessa alienação pelo consumo, a
humanidade só terá a ganhar. Haverá possibilidade de mudar também, por tabela,
o jogo sujo da concentração de renda e da exclusão social. E de estreitarmos posi-
tivamente nossa relação com os demais seres vivos e com o planeta.

Conclusão


É preciso deixar claro que esse guia não pretende insinuar que o consumo de
carne seja o único nem sequer o principal responsável pelas mazelas ambientais
que a espécie humana tem causado ao planeta. Mas certamente é um dos prin-
cipais, e o que queremos aqui é enfatizar que este fator diz respeito, única e
exclusivamente, à escolha de cada um.Talvez você não possa morar fora de uma
grande metrópole, nem gastar mais para consumir alimentos orgânicos, nem
tenha alternativa para se deslocar até o trabalho em transporte coletivo. Mas a
decisão de incluir carne em seu cardápio diário está ao seu alcance e, em últi-
ma instância, só depende de você.

O que você pode fazer

Hoje a luta pela terra, pelo ar, pela água e
pela preservação dos biomas vincula-se
ao destino final da humanidade

Tomar posição e adotar atitudes que perpassem os diferentes níveis de ação:
micro (indivíduo), meso (local) e macro (global).

No plano pessoal:mudar os padrões de consumo.A dieta carnívora, sobre-
tudo em larga escala, é comprovadamente insustentável.Ao eliminar o consumo
de carne você diminui, ao mesmo tempo, o desperdício de água, de proteínas
vegetais, o desmatamento, a desertificação, a extinção de espécies, a destruição
de habitats e até de biomas inteiros. De quebra, ainda ajuda a diminuir o reba-
nho bovino e sua emissão de metano – poderoso agente do efeito estufa.
Tomado isoladamente, o gesto individual não tem resultado objetivo mensurá-
vel, mas quando é uma postura adotada por grande número de pessoas, influi
objetivamente nas condições do planeta.

No plano local: podemos participar de eventos e movimentos coletivos,
marcando presença em manifestações públicas e abaixo-assinados, denuncian-
do agressões ambientais etc.Assim seremos uma voz a mais a engrossar a cor-
rente dos que querem mudanças.

No plano global: colaboramos ao participar de entidades ambientalistas e
de organizações que promovem o vegetarianismo; ao eleger para as esferas go-
vernamentais representantes que sejam comprometidos com a conservação de
ecossistemas; ao lutar pela proteção das reservas ambientais que já existem e
pela criação de novas áreas. Mas nem tudo isso é capaz de mudar as regras do
jogo. O produtor de carne não paga a água que usa, nem os abundantes eflu-
entes (água contendo restos químicos e orgânicos) que gera.No preço da carne
para o consumidor final não estão contabilizados estes custos, nem os danos
ambientais causados pela criação de animais. Esses custos, e muitos outros que
enumeramos nessas páginas, são subsidiados pelo governo.Ou seja, nós, contri-
buintes, pagamos para que o setor pecuário desfrute dos lucros.Assim, antes de
mais nada, para que a indústria da carne pare de crescer , tem que deixar de ser
um bom negócio! Para isso, os custos ambientais preciasam ser levados em con-
ta – e o consumidor tem de se conscientizar do seu poder sobre o mercado.

FONTES DA PESQUISA:


No Brasil: Cetesb; IBGE; Instituto Akatu; Instituto Cepa; Instituto Nina
Rosa; Instituto Peabiru; Instituto de Pesquisas Amazônicas (INPA);
Instituto Socioambiental; ONG Repórter Brasil; Relatório Unesco para
o Fórum Mundial da Água; Sabesp;WWF Brasil. No exterior:
Conservation International; David Suzuki Foundation; Environmental
Justice Foundation; FAO/ONU - Food and Agriculture Organization of the
United Nations; Federação do Salmão-do-Atlântico; Greenpeace;
Oxfam International; Relatório Our Food Our World – The Realities of an
Animal-Based Diet, da Earth Save Foundation;Worldwatch Institute.
Documentário: Deep Trouble, da BBC. Livros: Amigo Animal: Reflexões
interdisciplinares sobre educação e meio ambiente, ética, dieta, saúde,
paradigmas, de Paula Brügger; Ecologia: Cuidar da Vida e da Integridade
da Criação, do CESEP; Fundamentos do Vegetarianismo, de Marly Winckler.
Artigo: Você já comeu a Amazônia hoje?, de João Meireles Filho.

“Cada um compartilha
da responsabilidade
pelo presente e pelo
futuro, pelo bem-estar
da família humana e de
todos os seres vivos.”
Carta da Terra

REALIZAÇÃO:


Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB)


www.svb.org.br


Departamento de Meio Ambiente
Desde que não haja fins lucrativos e seja citada a fonte, não só permitimos
como incentivamos a divulgação e a reprodução, em qualquer meio, de
trechos ou da íntegra desta publicação, sem necessidade de autorização prévia.

Filie-se. Pelas pessoas. Pelos animais. Pelo planeta.

Voltar à Página Principal

 

   

 

     
       
   
  www.syntonia.com/terra  
  E-Mail  
  Tel: 55 - 21 - 9165-0101 - Niterói

Rio de Janeiro

 
       

 

Free Web Hosting